| CRÍTICAS | Looper – Reflexo Assassino

Quem diria que, dez anos depois, o puto de O Terceiro Calhau a Contar do Sol iria ser um dos actores do momento, enquanto que French Stewart iria ser apenas, esperem… French-quem? Com um par de papéis nos filmes certos e meia-dúzia de desempenhos geniais, Joseph Gordon-Levitt tem-se assumido como um dos valores seguros de […]

| CRÍTICAS | Corpo e Alma

É certo que o cinema húngaro já foi árvore que deu melhor fruto – alguém mencionou Béla Tarr ou István Szabó? -, mas nos últimos tempos parece estar a querer revitalizar. E é certo que Ildikó Enyedi, a realizadora deste Corpo e Alma, não é propriamente uma novata, mas o facto de já não fazer um […]

| CRÍTICAS | Anomalisa

As neuroses e as obsessões sempre foram terreno fértil para muitos humoristas. O Woody Allen que o diga, ele que tem construído uma carreira respeitável à conta das suas inseguranças e crises pessoais. E logo a seguir vem o Larry David. Anomalisa, a segunda experiência na realização do (habitual) argumentista Charlie Kaufman, é um filme […]

| CRÍTICAS | Suburbicon

Na sua curta carreira como realizador, George Clooney já provou que não é apenas um nome conhecido que passou para trás das câmaras por capricho. É um realizador com critério, adepto de uma certa ideia de cinema clássico, claramente influenciado pelo período áureo de Hollywood. É certo que no anterior The Monuments Men – Os […]

| CRÍTICAS | I Love You, Daddy

Não deixa de ser impressionante como é que Louis C.K. passou de uma das personagens com maior crédito no star system para uma das mais ostracizadas, após se ter confirmado o escândalo sexual do qual era acusado. I Love You, Daddy, que é a sua estreia enquanto realizador, caiu em queda livre assim que a […]

| CRÍTICAS | Duplo Impacto

No pico da sua carreira, Jean-Claude Van Damme decidiu dar uma de Sofia Alves e fazer um filme em que interpretava gémeos. Na sua cabeça era o plano perfeito: os orçamentos das produções que ia fazendo eram cada vez maiores, permitindo valores de produção cada vez mais elevados; e com este gimmick o belga podia […]

| CRÍTICAS | The Neon Demon – O Demónio de Néon

Houve uma altura que nada parecia parar Nicolas Winding Refn e que não era possível fazer um mau filme. E, depois de ter o mundo a seus pés, com Drive – Risco Duplo, o realizador dinamarquês espalhava-se ao comprido, com Só Deus Perdoa, desastre épico que ainda por cima tinha o desplante de abrir com […]