| CRÍTICAS | Jackie

Em Setúbal existem dois mitos urbanos que toda a gente conhece. Um deles diz que Johnny Depp foi barrado à porta de um dos mais antigos bares da cidade; e o outro defende que a Jackie Kennedy, numas versões acompanhada pelo Truman Capote e em outras apenas pelos filhos, passou uma temporada num palacete projectado […]

| CRÍTICAS | Blue Valentine – Só Tu e Eu

Em todas as sagas de super-heróis surge um momento em que, invariavelmente, a falta de imaginação irrompe. Nessas alturas há sempre alguém que não aguenta a pressão e, em desespero, activa a opção “realidade alternativa”, onde o herói voa para uma dimensão onde tudo é o oposto da nossa e onde tem que enfrentar uma […]

| CRÍTICAS | O Despertar da Mente

Se o amor pudesse ser transformado num filme, esse filme seria O Despertar Da Mente. É que O Despertar Da Mente é talvez a mais bela e completa história de amor do cinema; não só dos lados positivos, mas também dos negativos que uma relação comporta – não só o paraíso, mas também o inferno do amor. […]

| CRÍTICAS | Lion – A Longa Estrada Para Casa

Lion – A Longa Estrada Para Casa é baseado na história verídica de uma criança indiana que, depois de se ter perdido nos pais, foi adoptado por uma família australiana, tendo regressado ao seu país 25 anos depois para tentar (e conseguir) reencontrar a sua mãe. Com esta sinopse, sabemos ao que o filme vem […]

| CRÍTICAS | O Herói de Hacksaw Ridge

Não deixa de ter uma pontinha de ironia que o realizador de O Herói de Hacksaw Bridge, biopic sobre o primeiro objector de consciência do exército norte-americano a receber a Medalha de Honra pelos seus actos heróicos em Okinawa, seja o mesmo que foi acusado de ter feito uma adaptação de A Paixão de Cristo […]

| CRÍTICAS | Vampiros de John Carpenter

Há que o dizer com frontalidade: não há mais nenhum realizador no Mundo para além de John Carpenter, cuja reputação permita que se baptizem os seus filmes com o próprio nome. Como se fosse um selo de qualidade, um pouco por todo o Mundo convencionou-se a chamar Vampiros de John Carpenter a esta experiência cinéfila, […]

| CRÍTICAS | A Dançarina

Soko começou a dar que falar com umas canções no antigo myspace, na altura em que o homem ainda nem sequer caminha na posição vertical, mas foi com I’ll Kill Her que se tornou mesmo em fenómeno, especialmente porque Stella McCartney começou a usar a música nos seus desfiles. Era uma espécie de Alanis Morissette […]