| CRÍTICAS | Adeus, Lenine!

O êxito de Adeus, Lenine! trouxe-o de volta às salas de cinema, por ocasião dos 30 anos da queda do Muro de Berlim. Fácil de entender a relação. O filme de Wolfgang Becker conta a história de Alex Kerner (Daniel Brühl), um jovem nascido na Alemanha socialista de Lenine, do lado oriental do muro. A sua mãe, Christiane (Katrin Saß), uma activa socialista tem um colapso cardíaco e fica num estado comatoso durante oito meses. Nesse curto período de tempo, o mundo alemão transfigura-se: o muro cai, a Alemanha é reunificada e Berlim soçobre ao capitalismo e ao ocidente (não é a mesma coisa?). Quando Christiane acorda, o seu estado de saúde frágil não lhe permite outro choque. É então que Alex, a sua irmã e os seus amigos entram em acção: providenciar que no quarto da sua mãe o socialismo não tenha morrido. 

Acima de tudo, Adeus, Lenine! é uma comédia saudável, com momentos que fazem realmente rir. Todo o esforço que Alex Kerner faz para manter a Alemanha socialista bem viva naquele quarto é muito mais do que simples lestlagia (em inglês ostalgie), a nostalgia da Alemanha do Leste. Por isso, é uma fábula mais ou menos romântica, muito ao estilo de O Fabuloso Destino De Amélie, para o qual contribui igualmente a banda-sonora de Yann Tiersen.

Consequentemente, o filme acaba por ter também uma leitura política, que não se fica pela rama. Sem tirar partido na eterna discussão entre socialismo/comunismo vs capitalismo, conta a história através do ponto de vista da família Kerner, com as suas opiniões e visões e que, devido às ocasionalidades do destino, o jovem Alex se vê obrigado em dar uma nova oportunidade ao socialismo, acabado de derrubar. É por isso uma segunda vida do comunismo, como que para tirar algumas dúvidas que possam ter ficado no ar.

Adeus, Lenine! tem ainda o condão de não se esgotar no gimmick e de não roçar o absurdo da anedota. É uma comédia agridoce, sem ser nunca lamechas, que apresentou ainda ao resto do mundo o então jovem Daniel Brühl. O realizador Wolfgang Becker é que nunca fez mais nada, pelo menos de jeito. Caso o muro não tivesse caído há 30 anos, provavelmente ninguém na Alemanha Oriental poderia agora comer um McRoyal Deluxe, como nós a revermos este filme.

Título: Goodbye, Lenin!
Realizador: Wolfgang Becker
Ano: 2003

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *