| CRÍTICAS | J’accuse – O Oficial e o Espião

Roman Polanski é um dos realizadores com uma das carreiras mais sua generais de todos. Se os seus últimos filmes têm andado a dialogar com os primeiros (O Escritor Fantasma com O Inquilino, Vénus de Vison com Lua de Mel, Lua de Fel…), toda a sua filmografia foi mais ou menos um reflexo da sua vida. O Pianista reflecte a sua infância no gueto de Cracóvia, Macbeth expia o assassinato da sua espora e agora, J’acusse – O Oficial e o Espião, rima inevitavelmente (e nem era preciso tê-lo referido em voz alta publicamente) com a condenação de violação que faz dele um fugitivo nos Estados Unidos desde o final dos anos 70.

O Oficial e o Espião é a história de Alfred Dreyfus (Louis Garrel), um soldado francês judeu que, no final do século XIX, foi condenado injustamente aos enterro, tanto por descriminação como por incompetência do Estado de França. Contudo, Polanski conta a história através do inspector Picquart (Jean Dujardin), já que Dreyfus desaparece assim que é remetido para o cárcere na Ilha do Diabo – uma prisão literalmente num calhau no meio do oceano. Imaginem um filme inteiro dum prisioneiro ali! Picquart, apesar de ser anti-semita, era mais íntegro do que racista e colocou a ética à frente do resto, denunciando o escândalo e colocando a própria cabeça no cepo, em nome da Justiça.

Com uma reconstituição de época impecável, um trabalho quase de filigrana (Oliver Twist também o era), Polanski monta um thriller que percorre todos os passos da investigação de Picquart até desembocar no filme de tribunal. Extenso e meticuloso, mas sem ser maçudo, J’accuse – O Oficial e o Espião tem um ritmo muito próprio, que nada tem a ver com o fogo de artifício do blockbuster contemporâneo. isso permite-lhe contar a sua história sem atropelos nem precipitações.

As adaptações teatrais de O Deus da Carnificina e Vénus de Vison foram assim uma preparação ideal para este jau de massacre. Mais uma vez, de forma consciente ou não, os filmes de Polanski voltam a dialogar uns com os outros. E, aos 80 anos, continua a dar-nos McBacons assim, certinhos e deliciosos, sem nada a lhe apontar.

Título: J’accuse
Realizador: Roman Polanski
Ano: 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *