| CRÍTICAS | Monstros: A Universidade

Monsters-University-Poster-St.-Patricks-Day

A Pixar parece também ter-se rendido à moda das sequelas e, coincidência ou não, o que é certo é que, pela primeira vez, começaram a fazer filmes que nhec. Atenção, não é que Carros 2 ou este Monstros: A Universidade sejam maus filmes, mas perante uma folha de serviço irrepreensível, é difícil olharmos para estes títulos da mesma forma que olhamos para um Wall-E ou um À Procura de Nemo.

No entanto, se formos picuínhas, Monstros: A Universidade não é uma sequela de Monstros e Companhia, mas sim uma prequela. Ok, eu sei que não é a mesma merda, mas o cheiro é o mesmo. Mas isto serve para explicar a história do filme. Ou seja, a origem de como tudo começou. E esse tudo é a relação dos dois monstros protagonistas, Mike (voz de Billy Crystal) e Sulley (voz de John Goodman), que trabalham como assustadores a aterrorizar crianças indefesas à noite para armazenar a energia dos seus gritos.

Para isso, recuamos à sua adolescência, quando eram caloiros na universidade dos monstros, Mike a almejar tornar-se no assustador com que sempre sonhou, mas para o qual parece fisicamente mal talhado para o conseguir, e Sulley, filho de boas famílias, com a insolência habitual de quem está habituado a ter a papinha toda feita na palma da mão. Apesar de não se darem propriamente bem ao início, os dois vão ter que unir forças e liderar uma equipa de losers numa espécie de Jogos Sem Fronteiras, de forma a não serem expulsos da escola.

Mike_Monsters_University_still_1

Com um argumento claramente pouco inspirado, na milésima variação da história dos inimigos que ao serem forçados a colaborar se tornam nos melhores amigos, Monstros: A Universidade não tem aquela magia da Pixar (que, por sua vez, havia aprendido com a Disney) que diz o essencial mesmo quando recorre a lugares-comuns. Além disso, também não tem propriamente graça, salvo raros gags com que pontua algumas cenas.

Não é que Monstros: A Universidade seja mau, a Pixar é que nos habituou mal. Mas sente-se algum cansaço nos últimos trabalhos da produtora, que aqui nem sequer tiram partido das inúmeras possibilidades dos monstros disponíveis. Há mais energia e diversidade na cantina do Guerra Das Estrelas que em todo este filme. Pixar, quem te viu e quem te vê; quem diria que, em 2013, irias estar a fazer uma sequela de Monstros e Companhia corrida a McChicken.mcchickenTítulo: Monsters University
Realizador: Dan Scanlon
Ano: 2013

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *