| CRÍTICAS | A German Life

a_german_life

Quando li que A German Life era sobre a secretária de Joseph Goebbels, um dos cabecilhas do regime nazi, fiquei intrigado como é que fizeram um filme de hora e meia sobre um móvel. Por isso, só quando começou o filme e apareceu uma velhinha fofinha com 102 anos é que percebi que estava a pensar em outro tipo de secretária.

Babaquice à parte, A German Life é um documentário sobre Brunhilde Pomsel, a mulher que trabalhou para o ministro da Propaganda de Hitler até ao seu suicídio num bunker em Berlim. Pomsel também lá estava e acabou detida e julgada pelos russos, tendo sido libertada 5 anos depois.

Existem inúmeros documentários , filmes e reportagens sobre o nazismo e os intervenientes, mas há muito poucos sobre os actores indirectos do Terceiro Reich. Ou seja, aqueles que contribuíram para a implementação e desenvolvimento do nazimo seguindo as ordens dos seus superiores. Essa conivência não faz deles menos culpados. Ou faz?

A German Life reflecte precisamente sobre isso. Brunhilde Pomsel, que apesar de centenária continua extremamente lúcida, reconhece o que fez, mas recusa assumir a sua culpa. E acusa-nos: todos nós, no seu lugar, faríamos exactamente o mesmo. Poderíamos evocar o nome de pensadores como Hannah Arendt ou Susan Sontag, que teorizaram sobre isto, mas não é necessário. Basta olharmos para a nossa actualidade, em que a história parece estar assustadoramente a repetir-se, para não termos que julgar os alemães por terem deixado aquilo acontecer. Nós também o estamos a deixar, seja na Síria, na Ucrânia ou com o Trump.

poms

A German Life tem, portanto, esse lado assustador, tão ou mais perturbador que algumas imagens que iremos ver sobre a libertação dos campos de concentração, com as suas valas comuns e prisioneiros esqueléticos. São pequenos excertos de filmes, outros de propaganda alemã e de propaganda norte-americana que, juntamente com citações de Goebbels, vão interrompendo o discurso de Pomsel, dando-lhe tempo (e a nós também) para respirar e pensar. É que A German Life é um one-woman-show, em que os grandes planos num preto e branco de alto contraste privilegia a proximidade sem filtros com aquela mulher e, consequentemente, com aquela história.

Na apresentação da sessão, no Doclisboa, um dos realizadores do documentário, Christian Krönes, disse que este era um aviso para o futuro. Nós dizemos mais: A German Life é um McRoyal Deluxe que devia ser servido obrigatoriamente nos menus escolares.mcroyal-deluxeTítulo: A German Life
Realizador: Christian Krönes, Olaf S. Müller, Roland Schrotthofer e Florian Weigensamer
Ano: 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *