| CRÍTICAS | The Witch

Ao partirem para o Novo Mundo, os colonizadores britânicos levaram com eles as superstições, que num primeiro período se desenvolveram numa paranóia galopante de bruxas e bruxaria. O culminar desse fenómeno aconteceu em Salem, num episódio infeliz que já inspirou inclusive inúmeros filmes, séries de televisão e obras de literatura.

The Witch é um filme que parte desse relatos de bruxaria da América inicial para criar uma pequena, mas extremamente eficaz história de bruxas. Pela distância temporal e pela realidade supersticiosa é inevitável compara-lo a O Laço Branco, se bem que The Witch assume mais abertamente a sua natureza fantástica. Apesar de sabermos que as bruxas não existem, pero que las hay, las hay, não é assim?

Os heróis de The Witch é uma família temente a Deus que é desterrada da sua comunidade e que se vai fixar numa orla à beira da floresta para recomeçarem as suas vidas. Pai, mãe e os quatro filhos começam então a presenciar estranhos fenómenos e episódios de difícil explicação, que se iniciam com o desaparecimento do bebé da casa e que levam a crer em uma de duas coisas: ou há uma entidade a assombrar a zona ou há mesmo uma bruxa infiltrada naquele lar. Ou será que é o demónio a brincar com as emoções daquela família e a divertir-se ao coloca-los uns contra os outros?

Filmado só com luz natural – na altura não havia luz eléctrica, não é? -, que mergulha o filme numa penumbra permanente, The Witch porencia essa atmosfera de inquietação e medo, para a qual contribui ainda a banda-sonora cheia de violinos e drones e também a linguagem arcaica. A intriga desenrola-se a passo lento, infiltrando-se aos poucos por baixo das nossa pele, entranhando-se à medida que o suspense vai cozinhando em lume brando sem darmos por isso.

Anya Taylor-Joy, a filha adolescente, tem uma estreia poderosa, mas é o seu irmão, Harvey Scrimshaw, que tem a melhor cena do filme, numa possessão que aproxima The Witch de O Exorcista, que é outro dos seus parentes próximos. Não há aqui jump scenes nem clichés do género, apenas uma precisão calculista na gestão do terror psicológico sem descurar algum grafismo. Até porque nem tudo na vida é sugestão. Um belo Royale With Cheese que, inexplicavelmente, nunca teve estreia comercial em Portugal.

Título: The Witch
Realizador: Robert Eggers
Ano: 2015

One thought on “| CRÍTICAS | The Witch

  1. Pingback: | LISTAS | Os 5 melhores filmes de 2016 que não passaram nos nossos cinemas | Royale With Cheese

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *