| CRÍTICAS | Senna

A Fórmula 1 sempre despertou paixões e rivalidades acérrimas, algumas das quais a darem origem a filmes de Hollywood e tudo. A mais célebre terá sido, provavelmente, a que opôs James Hunt a Niki Lauda e que valeu Rush – Duelo de Rivais. No entanto, a maior terá sido a que opôs o brasileiro Ayrton Senna (vénias com saída encarpada à rectaguarda) ao francês Alan Prost. E se houver dúvidas em relação a esta afirmação, basta comparar o filme de Ron Howard com o documentário Senna. Enquanto no primeiro caso foi necessário recorrer à ficção, no segundo caso bastou compilar as imagens de arquivo num documentário, sem qualquer necessidade de dramatização, porque está tudo lá.

Senna é então um documentário sobre Ayrton Senna, um dos expoentes máximos dos desportos motorizados e fenómeno de popularidade, desde que chegou à Fórmula 1 até ao momento da sua morte, em directo para todo o mundo, num infeliz acidente no Grande Prémio de Imola. Para muita gente esse foi o momento em que a Fórmula 1 também morreu. E o que é certo é que esta nunca mais foi a mesma, sendo cada vez menos competitiva e, consequentemente, menos apelativa. As receitas de Bernie Ecclestone nos últimos anos que o digam.

A carreira de Senna teve de tudo. Foi um piloto incrível, com manobras brilhantes e arriscadas que ficaram na história da modalidade; foi um ícone e um ídolo de massas, tendo representado internacionalmente o Brasil numa altura em que o Brasil não era mencionado pelos melhores motivos; e, desportivamente, teve uma rivalidade ímpar com Prost, que incluiu corridas míticas com a caixa de velocidades bloqueada ou com desclassificações injustas que lhe valeriam o título mundial. Tudo isto está em Senna, documentário que não falha nenhuma destas facetas da vida e carreira do piloto brasileiro.

O realizador Asif Kapadia, que tem dedicado a sua vida ao documentário, atira-se de cabeça a horas de imagens de arquivo e monta todo o filme sem necessitar de recorrer a entrevistas ou a qualquer cabeças falantes. A excepção são as próprias entrevistas televisivas de Ayrton Senna ou alguns comentários em voz-off de comentadores televisivos, que dão as suas opiniões pessoais. Mesmo assim, Senna é montado como um filme de ficção, com todo o arco narrativo clássico e as nuances de uma verdadeira tragédia grega. É quase como se alguém tivesse passado a sua vida a registar em filme os momentos fulcrais da vida de Senna para, posteriormente, realizar este documentário. O que faz de Senna um documento obrigatório para todos os fãs da Fórmula 1, do piloto brasileiro, do cinema em geral de de Le Big Macs.Título: Senna
Realizador: Asif Kapadia
Ano: 2010

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *