| CRÍTICAS | Até Que o Porno Nos Separe

Todos nós conhecemos, por um motivo ou outro, o nome de alguns actores pornográficos. Ou porque vimos Orgazmo e ficámos a saber quem era o Ron Jeremy; ou porque acompanhámos nos jornais a polémica com a Traci Lords e a sua menoridade; ou, simplesmente, por causa de um trabalho para a escola. No entanto, nunca pensámos quem nos pais dessa gente. Quem são eles? Como se dão com os filhos? Como é que aceitaram a sua profissão?

É para responder a essas questões que Jorge Pelicano realizou Até Que o Porno nos Separe, documentário sobre a dona Eulália, a mãe de Fostter Riviera, actor porno gay português com uma assinalável carreira internacional. Apesar de ser uma senhor adorável, a dona Eulália era suficientemente conservadora para ficar em choque quando descobriu que o filho se mudara para a Alemanha para apostar numa carreira alternativa à outra de webdesigner, que concilia no seu dia-a-dia.

O corpo de obra de Jorge Pelicano tem-se destacado pelos documentários observacionais, num processo lento de acompanhamento dos seus retratados, que ajudam a captar um maior realismo e naturalismo. Até Que o Porno nos Separe não é diferente na forma dos seus títulos anteriores, rejeitando linearmente as cabeças falantes e o formato convencional do documentário.

A forma como Pelicano monta o filme, limitando-se muitas vezes a acompanhar a dona Eulália simplesmente a navegar pela internet, e como recua a 2013 para contar como ela descobriu e não aceitou a carreira alternativa do filho através das mensagens que lhe enviou no facebook é brilhante. Com um ritmo muito calmo e muito zen, Jorge Pelicano passa depois para o outro lado do ringue e dá-nos também a perspectiva de Sydney (o nome real de Fostter Riviera), fazendo deste um documentário também sobre as relações familiares e sobre a comunicação entre pais e filhos.

Mas o mais incrível de tudo é que Até Que o Porno nos Separe é um filme extremamente inspirador e bonito, sobre o verdadeiro amor de mãe. A dona Eulália, por amor ao filho, fez um esforço hercúleo para entender, aceitar e apoiar o seu mais novo, mesmo que não seja seu filho biológico, servindo de exemplo para muito boa gente que anda por aí. Este McRoyal Deluxe devia ser partilhado por muitas mais pessoas, para ver se abríamos as mentes que parece que estão cada vez mais fechadas, pelo menos a aferir pelas caixas de comentários dos jornais digitais portugueses.Título: Até Que o Porno nos Separe
Realizador: Jorge Pelicano
Ano: 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *