| CRÍTICAS | Heavy Trip

Antes dos conans osiris e dos salvadores sobrais desta vida, já a Eurovisão causava indignação noutros países. Em 2006, um finlandeses do heavy metal – os Lordi – chocavam toda a gente ao vencerem essa edição. Mas, afinal de contas, se o Festival da Canção pretende celebrar o que de melhor se faz em cada país, o que mais representa a Finlândia do que o metal?

Portanto, é ao metal que Heavy Trip – pequeno filme finlandês que já construiu uma respeitável legião de fãs – se vai apoiar para abordar uma série de temas recorrentes no cinema indie. A saber: os inadaptados e todos aqueles que ficam nas margens da vida, naquilo que a sociedade cataloga como o normal.

Estamos assim num lugarejo algures na Finlândia, mas a realidade é a mesma de qualquer lugarejo por essa Europa fora, Portugal incluído. Quatro adolescentes (Johannes Holopainen, Samuli Jaskio, Antti Heikkinen e Max Ovaska) encontram um escape para as suas dores de crescimento, hormonas aos saltos e uma certa desformatação a essa normalidade no heavy e na sua banda, os Impaled Rektum. Por isso, quando as notícias de que vão tocar a um festival noruegês lhes abre as portas à aceitação da comunidade local, os Impaled Rektum vão ter que ir à Noruega custe o que custar. Mesmo que a proposta para actuar já não se concretize.

Só que o humor de Heavy Trip – seco, muito seco, como se o humor britânico tivesse sido desidratado ao sol – nunca é, propriamente… divertido. Tenta ser absurdo e muitas vezes circunstancia, mas todos os gags revelam-se logo gastos à partida e não há propriamente nada que não tenhamos já visto noutros sítios. Até para quem gosta de metal, nunca há um verdadeiro mergulho no género, para que se possa tornar num filme de culto. Se está à espera de um This is Spinal Tap, então é melhor ir buscar uma cadeira para esperar sentado.

No último terço, Heavy Trip melhora consideravelmente. É quando os Impaled Rektum vão para a Noruega e Heavy Trip se transforma num road movie. É que este é um género em que não há como falhar: basta um carro, uma estrada e uma colecção de falhados em busca de redenção para tornar o serão aborrecido em… menos aborrecido. Pelo menos durante um curto período de tempo. É nesta altura que encomendamos o Happy Meal.

Título: Heai Reissu
Realizador: Juuso Laatio & Jukka Vidgren
Ano: 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *