| CRÍTICAS | Os Rapazes da Noite

Se, por qualquer razão obscura, um extraterrestre viesse à minha casa e pedisse para lhe explicar o que foram os anos 80 através da televisão, eu mostraria-lhe três dvds. O primeira eram as temproadas integrais de Acção Em Miami, escaparate ideal para mostrar a moda dos anos 80 (casacos com enchumaços, blazers de cetim branco e mullets, muitos mullets); depois, mostrava o Purple Rain, do Prince, especialmente aquela cena, que certamente já todos viram nem que seja no teledisco do When The Doves Cries numa das mil e quinhentas maratonas da VH1, em que ele vai todo mauzão num fato púrpura(!), em cima dum motão, mas que quando a câmara vira é apenas uma 125cc com uns plásticos gigantes(!!) – para além de ter tido uma noção de bom gosto discutível, os anos 80 também tiveram um ideal de bad boy muito discutível. E, por fim, mostraria-lhe Os Goonies, teen movie goes matiné de domingo. Ou então, se estivesse com pressa, mostraria apenas Os Rapazes Da Noite, que é a mistura de tudo isto, e aproveitava o resto do tempo livre para jogar ao novo The Last of Us.

Outro dos filmes-chave para entender este Os Rapazes Da Noite é o clássico Os Selvagens Da Noite, o survivor urbano sobre as gangues nova-iorquinas, altamente esteriotipadas e igualmente mal vestidas. Este é também um filme sobre esse tipo de gangues juvenis, cujo líder é um muito novinho Kiefer Sutherland em registo super-badass (e que podia ter um bocadinho mais de tempo de antena). A novidade em Os Rapazes Da Noite é que aqui essa é uma gangue de… vampiros.

Sutherland e a sua gangue de mortos-vivos sugadores de sangue dominam então as ruas de Santa Cruz, uma localidade balnear sem muito para fazer e que se auto-intitula “capital internacional do homicídio”. É para aqui que se mudam os irmãos Michael (Jason Patric) e Sam (Corey Haim). O primeiro vai ser aliciado para se juntar aos vampiros, atraiçoado pelas suas hormonas e pela bela Star (Jami Gertz), enquanto que o segundo vai conhecer os irmãos Frog, caçadores de vampiros e protectores do american way of life (Corey Feldman e Jamison Newlander).

Os Rapazes Da Noite é um dois em um: é um filme de vampiros adolescente (não confundir com a saga Crepúsculo, se faz favor), sexy e intenso, com uma componente mística (não é por acaso que o poster do xamã Jim Morrison domina o covil dos vampiros e o People are Strange faz parte da banda-sonora, no meio de tantos sintetizadores manhosos); e é um filme tipo Goonies, com humor familiar e um savoir faire bem distantes do gore da outra metade do filme.

Inesperadamente, Os Rapazes Da Noite acaba por funcionar melhor do que se esperava, contendo ainda aquela mística especial que só os filmes dos anos 80 tiveram, uma espécie de ingenuidade feliz que se cola ao cérebro como pastilha elástica. Ou como McBacons.

Título: The Lost Boys
Realizador: Joel Schumacher
Ano: 1987

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *