| CRÍTICAS | As Aventuras do Príncipe Achmed

O título As Aventuras Do Príncipe Achmed, se calhar, não vos diz muito. E se eu vos disser que este é o primeiro desenho-animado em formato longa-metragem da história do cinema? Provavelmente continuarão na mesma. Mas, pelo menos, espero que aumente a vossa curiosidade pelas linhas que se seguem. 

Apesar de não ter sido a primeira (historicamente, terá sido a segunda), As Aventuras Do Príncipe Achmed é a longa-metragem de animação mais antiga de que há registo físico, uma vez que de O Apóstolo, de Quirino Cristiani, apenas ficaram os relatos de quem o viu. As Aventuras Do Príncipe Achmed não é uma animação tradicional, pelo menos como hoje a conhecemos: é filmada segundo um processo de silhuetas, com bonecos recortados em cartão e manipulados como uma espécie de fantoches. Uma morosa técnica que a realizadora Lotte Reiniger repetiria mais vezes nos anos seguintes.

As Aventuras Do Príncipe Achmed é um parente próximo de As 1001 Noites e um parente afastado de Fantasia: do primeiro, herdou os destinos exóticos e mágicos da Pérsia e da China; e ao segundo, ofereceu a magia e o simbolismo visual. Como o título indica, esta é uma fábula à volta do príncipe Achmed, valente e jovem herdeiro do trono de Califa, que vai embarcar numa perigosa jornada na ilha dos espíritos Waq-Waq, depois de ter sido enganado com um cavalo voador pelo maléfico Feiticeiro Africano.

Filme mudo criado em pleno expressionismo alemão (a arquitectura dos palácios de Califa lembram a perspectiva disforme de O Gabinete Do Dr. Caligari e os dedos asqueroso e longiformes do Feiticeiro Africano são os mesmo de Nosferatu), As Aventuras Do Príncipe Achmed cria uma atmosfera verdadeiramente mágica e fabulosa (fabulosa como em fábula), de personagens que se movem de forma graciosa e se transformam de forma engenhosa.

Infelizmente, a história perde fluidez a partir de metade e transformam-no, narrativamente, num filme algo datado – a personagem de Aladino e lâmpada mágica é, claramente, enxertada a martelo. Mas, visualmente, As Aventuras Do Príncipe Achmed é uma experiência maravilhosa que toda a gente devia ser obrigada a ver, pelo menos, uma vez na vida. Eu já cumpri a minha parte e o McRoyal Deluxe é a prova disso.

Título: Die Abenteuer des Prinzen Achmed
Realizador: Lotte Reiniger
Ano: 1926

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *