| CRÍTICAS | Das Profundezas

O edifício Pirelli: 127 metros de altura, 32 pisos e um dos símbolos do milagre económico italiano no final dos anos 50. Um arranha-céus que foi dos mais altos na Europa durante muito tempo e que se mantém como um dos ícones de Milão. E é precisamente com o Pirellone que Das Profundezas começa, com um repórter de televisão a subir de elevador até ao topo. Do topo do edifício Pirelli, de Milão e do norte industrializado italiano saltamos para a Calábria, para o mundo rural e para a Itália profunda e real. É aqui que a população de uma aldeia se reúne na rua para assistir em conjunto à televisão, onde está a passar esse tal programa sobre o alto edifício de escritórios.

Das Profundezas é um filme feito dessas dicotomias: a cidade e o campo, a modernidade e a ruralidade, a vida e a morte, a ascensão e a descensão. No entanto, Das Profundezas recusa qualquer rótulo e, mais de uma década após esse momento do cinema italiano que é As Quatro Voltas, o realizador Michelangelo Frammartino volta a assinar uma espécie de OFNI – Objecto Fílmico Não-Identificado.

Não é que Das Profundezas recuse a linearidade narrativa, porque essa existe e de forma convencional. A estranheza é mais pela forma como recusa rótulos ou delimitações de género. Por um lado acompanhamos a expedição que um grupo de espeleólogos faz ao inteiro de um cave, que se revelará a terceira mais profunda gruta do mundo; por outro, seguimos um velho pastor (que podia pertencer a As Quatro Voltas) que observa tudo ao longe e que está a morrer. Das Profundezas é quase um objecto etnográfico, já que se limita a acompanhar a aventura de espeologia pelas entranhas da Terra ou a observar o pobre homem, seja sentado ao ar livre, seja depois na cama, a dar os últimos suspiros. Tudo isto sem diálogos ou legendas sequer, porque aqui a comunicação verbal não é importante. Este é um filme que limita o espectador ao mais primal acto de ver e ouvir.

É, no entanto, a aventura de espeleologia o mote central do filme, ou não se chamasse este Das Profundezas (O Buraco, no título original em italiano). Do topo do edifício mais alto de Itália para a gruta mais funda do país, Frammartino utiliza o seu ritmo muito lento e pausado para reconstituir aquela demanda épica quase como se fosse um documentário. Mas esqueçam Operação: Resgate na Tailândia, não é nada disto. Aqui, a referência é mais Werner Herzog e A Gruta dos Sonhos Perdidos, um filme que capta na perfeição o fascínio da descoberta daquele mundo escondido, à medida que os homens e mulheres daquela grupo vão avançando cada vez mais fundo. Quem já foi às grutas de Mira D’Aire (ou outras quaisquer do género) sabe do que estou a falar.

Contudo, é na fotografia que Michelangelo Frammartino ganha o filme. Cada plano é uma verdadeira pintura de alto contraste e cores vibrantes, em que as cenas captadas n hora mágica até são das menos impressionantes. Tudo isto ajuda-nos a manter agarrados a Das Profundezas durante toda a sua extensão, mesmo que nada se passe. Ou, pelo menos, aparentemente. Porque quando o filme termina já os espeleólogos foram a 682 metros de profundidade e uma morte aconteceu. E nós devorámos o McChicken num piscar de olhos e nem demos por isso.

Título: Il Buco
Realizador: Michelangelo Frammartino
Ano: 2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *