| CRÍTICAS | Black Water

É certo que existem duas sequelas do Máquinas de Guerra, mas ninguém lhes quer tocar nem com uma vara de 10 metros. Também existe Os Mercenários 2, mas esse nem sequer conta, porque não têm cenas propriamente juntos. Por isso, podemos dizer que Black Water é o tão ansiado filme que, 26 anos depois do Máquinas de Guerra original, volta a reunir Jean-Claude Van Damme a Dolph Lundgren. Contudo, tendo em conta os recentes filmes straight-to-video de ambos e a qualidade do poster deste filme, o melhor é não ter muitas expectativas à partida.

Van Damme acorda então e está numa cela minúscula, sem saber o que se passou. No compartimento ao lado está Dolph Lundgren. E em menos de nada vemos o que é aquilo: um submarino em alto-mar! De repente, pensamos poder estar perante um OldBoy – Velho Amigo ou mesmo um daqueles filmes confinados a um espaço fechado, como Enterrado. Mas nada disso. Rapidamente recuamos em flashback para perceber o que se passa.

Aquele submarino serve então para levar prisioneiros para águas internacionais, onde podem ser torturados à vontade até confessarem o que têm para confessar. Van Damme é para ali levado pela CIA para revelar onde está um ficheiro que tem uma informação confidencial tão importante que já não me recordo o que é. E as técnicas de tortura utilizadas são desumanas. Primeiro gritam-lhe muito alto para confessar. Depois ameaçam-no de porrada, caso não fale. E, no final, nem queremos acreditar e temos que fechar os olhos. Os agentes apontam-lhe uma seringa. Nunca vimos um série b assim, tão gráfico, tão violento, tão… estúpido?

Depois Van Damme liberta-se, porque afinal é um agente altamente treinado, arranja uma aliada toda jeitosa (Jasmine Waltz) que acredita na sua inocência pelos seus lindos olhos e vai tirar Dolph Lundgren à outra cela para ter mais chances. Por sua vez, os tipos da CIA têm a vantagem de nunca acabarem as munições, mas nunca conseguem acertar um tiro, nem quando estão à queima-roupa. Seja como for, isso também não interessa para nada, porque mesmo quando alvejam Jasmine Waltz na barriga, ela vai ao cacifo, coloca um penso e está tudo bem.

E quanto ao encontro Van Damme vs Dolph Lundgren, que é o que está tudo à espera no filme? Mais uma série de tiros secos de cartuchos sem pólvora. Black Water é todo ele um filme em anti-clímax. E, pelo meio, ainda tem mais um duelo entre Van Damme pai e Van Damme filho (em Vingança Balcânica a coisa é relativamente melhor), no décimo primeiro episódio da tentativa do pai ajudar a carreira do seu mais novo a descolar. Uma trapalhada com poucos motivos para justificar a Hamburga de Choco. 

Título: Black Water
Realizador: Pasha Patriki
Ano: 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *