| CRÍTICAS | Cabaret Maxime

O Maxime, o saudoso cabaret da Praça da Alegria (do qual o realizador Bruno de Almeida chegou a ser sócio antes de encerrar portas), era um espaço que tinha uma atmosfera muito especial a um tempo de outrora. Mais ou menos como o Cais de Sodré, mas o de antes, do tempos dos marinheiros e […]

| CRÍTICAS | Gilda

Gilda, realizado por Charles Vidor em pleno código Hays, deve ter sido uma dor de cabeça para os censores. Com tanta tensão sexual acumulada, diálogos picantes nas entrelinhas e sugestões subversivas de sexo de todas as formas e feitios (e já nem me refiro à tensão homossexual entre os protagonistas masculinos, já que esta é […]

| CRÍTICAS | Efeitos Secundários

Steven Soderbergh, mui prolífero realizador que tem tudo para vir a ser “reavaliado” por uma nova geração de cinéfilos snobs num futuro mais ou menos próximo, anunciou o adeus aos relvados em 2013, promessa que tem mantido até há data. O filme que marcou o pendurar das chuteiras foi Efeitos Secundários, trabalho à semelhança do […]

| CRíTICAS | You Don’t Know Jack

A eutanásia é, quiçá, o tema tabu definitivo do mundo ocidental. Apesar do debate sobre o assunto vir a lume de quando em vez (lembram-se da semana passada?), continua invariavelmente em águas de bacalhau, salvo algumas excepções que confirmam a regra. A Holanda é um desses casos, a Bélgica outro e o doutor Jack Kevorkian […]

| CRÍTICAS | Ter e Não Ter

Consta que Howard Hawks fez uma aposta com Ernest Hemingway, em que era capaz de fazer um bom filme a partir do seu pior livro. Escolheu então Ter e Não Ter, alterou Cuba por Martinica e apagou uma série de baboseiras que não ajudavam em nada o desenlace narrativo, e venceu o desafio. No entanto, Ter e […]

| CRÍTICAS | Mar Adentro

Mar Adentro foi um fenómeno quando estreou, primeiro em Espanha e depois no resto do mundo, fascínio esse que acabou traduzido em vários Goyas e no Óscar para melhor filme estrangeiro. As razões eram simples: Alejandro Amenábar, apesar da curta carreira, era um dos realizadores mais promissores da nova vaga espanhola, inclusive com provas dadas internacionalmente […]

| CRÍTICAS | Máquinas de Guerra

Seguindo o sucesso dos homens-máquina de Exterminador Implacável e RoboCop, Jean-Claude Van Damme também experimentou o género no início dos anos 90. Se bem que, no seu caso, nunca percebemos muito bem até que ponto é humano ou não, porque a parte de ficção científica nunca é bem explicada – exceptuando qualquer coisa acerca da […]

| CRÍTICAS | Han Solo – Uma História de Star Wars

Há que confessar que um filme sobre um jovem Han Solo para um dos novos filmes stand alone do Star Wars que a Disney anda a fazer nos anos de intervalo da sua nova trilogia parecia uma boa ideia. Afinal de contas, Solo é o improvável herói da trilogia original, o cínico trafulha/contrabandista que rouba […]

| CRÍTICAS | Frantz

Não há ninguém em França (na Europa?) como François Ozon. Além de prolífero, é ainda bastante eclético, saltando de género em género com grande à-vontade e, normalmente, igual desenvoltura, que tanto faz um musical à Demy (olá 8 Mulheres) como um policial à Chabrol (olá Dentro de Casa) ou… um filme sobre um bebé com […]